1 2 3
Artigos

Neurose de Angustia, do Medo ou Síndrome do Pânico 1/29/2010

Fonte: Quintiliano H. de Mesquita, Cardiologista

O homem na era moderna é submetido a estímulos contínuos que ativam os seus sentidos e o atingem através dos diversos meios de comunicação, produzindo em sua Memória e seu Subconsciente o acúmulo de subsídios que podem até desenvolver reações físicas e mentais, inconscientes e subjetivas, que chegam a afetar sua segurança e bem estar; gerando episódicas e injustificáveis crises nervosas dominadas por sensações de angustia, medo ou pânico que transformam e agridem o seu ritmo de vida, demolindo seu psiquismo, confundindo sua mente e sem causa aparente.

Em tais condições, a auto-analise não lhe tem fornecido uma explicação exata quanto ao aparecimento espontâneo dessas sensações estranhas, que se repetem sem motivo aparente e podem até ser provocadas pela simples lembrança do desconfortante acometimento, passando então a atormentá-lo e confundi-lo ainda mais.

O portador de tão desagradáveis episódios, aparentemente inexplicáveis por seu aparecimento repentino e ilógico, é levado a procurar um médico e a submeter-se a um check-up, que quase sempre resulta numa resposta de absoluta normalidade física e mental, o que vem tranqüilizá-lo quanto ao reconhecimento de sua integridade, mas que também serve para confundir ainda mais a sua mente porque, apesar disso tudo, as angustiantes e assustadoras crises continuam a surpreendê-lo e a abater o seu moral.

Confuso com sua própria insegurança e a despeito de sua reconhecida normalidade física, o paciente sente-se acovardado diante de tão misteriosos acontecimentos que momentaneamente o arrasam física e mentalmente. Entretanto, nos intervalos de tais crises, quando tudo volta ao normal, procura sempre ocultar seu padecimento, não desejando confessar a ninguém sobre sua atribulada condição, pelo simples motivo de não querer ser tomado por medroso, deprimido ou neurótico e para não ferir seu amor próprio.

Assim, ele vai convivendo com seu padecimento aparentemente físico, sob o impacto de deplorável sofrimento moral que o vai inferiorizando, através da angustiante repetição de tais crises que o apavoram, levando-o ao desespero e pânico pelo medo de morrer numa dessas crises.

Ele passa a registrar cada nova crise como uma sensação de algo indefinível, que o domina e envolve sua mente, parecendo-lhe evoluir como uma onda de incapacitação e generalizado mal estar, a que ele próprio assiste e participando chega a admitir como sensação de morte próxima. Entretanto, também de repente, para surpresa sua aquela onda de desespero e angustiante sensação vai se dissipando e ele volta à normalidade, com a agradável sensação de desafogo e alivio por mais um final feliz, apesar da dúvida sobre o futuro próximo.

No momento do desenvolvimento da crise, o seu portador é impelido na direção de sua maior segurança – domicilio e seio da família – porque se algo de mais grave lhe acontecer ele estará em casa e amparado por todos. Muitos fogem do ambiente de trabalho, da rua, do cinema, do teatro, do barbeiro, do engraxate, deixando o carro no estacionamento e fogem de táxi para casa que é o lugar seguro e próprio para morrer!

De repente tudo passa, retorna às atividades interrompidas e com a sensação de que tudo ficou sob controle; mas permanece temendo sempre nova e imprevisível crise desencadeada pelo inimigo invisível; guardando no seu íntimo a sensação frustrante de sua insegurança pelo inesperado retorno desses decepcionantes acometimentos, que se mostram inexplicáveis e misteriosos.
Perguntando-se, no íntimo estado de sua desconfortável sobrevivência, sobre as caprichosas e repetitivas crises que tanto o amedrontam; e, principalmente, sobre as razões de tamanho sofrimento, resolve então procurar o médico especialista para a cura do seu mal; obtendo assim o diagnóstico modernamente designado como a “síndrome do pânico” e passando então a ser submetido ao tratamento medicamentoso e psicoterápico.

Assim, o angustiado e amedrontado portador da síndrome do pânico passa para uma nova fase, em que procura lutar contra o mal que o aflige e domina completamente a sua mente, chegando a perturbar todos os seus planos presentes e futuros.

Interpretamos a neurose de angustia, do medo ou a síndrome do pânico como uma condição clínica cujo tratamento não depende de medicamentos, mas exclusivamente da exercitação do poder da mente pelo próprio paciente que deve enfrentá-la, lutando corajosamente para livrar-se de tais acometimentos físicos e mentais; ao invés de empreender as habituais fugas, estratégicas mas covardes, que só servem para fortalecer e aumentar ainda mais a intensidade e freqüência de tais manifestações neuróticas, que repercutem tão desastrosa e negativamente sobre o seu psiquismo, prolongando assim o seu sofrimento.

Em nossas conjecturas, acreditamos que a neurose de angustia, medo ou síndrome do pânico representa um litígio entre o Consciente bem ajustado a um corpo são e o seu Subconsciente dominado por insegurança e incertezas, responsável pelo desencadeamento de subjetivas sensações que anulam momentaneamente sua personalidade; através de assustadora sintomatologia e da incapacidade de avaliação do próprio estado físico e mental, envolvidas sempre pelo pavoroso receio de morte
iminente.
Entretanto, em nossa experiência, temos observado que o enfrentamento corajoso levado a efeito pelo paciente durante cada crise, sem a fuga do portador para o lugar seguro, passa a representar uma vitória parcial que lhe será creditada como reforço de sua autoconfiança e contribuirá decisivamente para a cura definitiva.

Assim, como conseqüência natural, as crises vindouras vão se tornando cada vez mais fracas, mais rápidas e com intervalos maiores; até que, surpreendentemente, dentro de mais algum tempo, atingirá de fato um final feliz, com o registro do desaparecimento da neurose de angustia, do medo ou síndrome do pânico definitivamente vencida, e que passará a constar apenas do passado de um vencedor pelo emprego do poder da mente!

Para nós, a cura representa o restabelecimento do equilíbrio harmônico entre o Consciente e o Subconsciente, através da utilização do poder da mente sobre as misteriosas investidas degradantes da individualidade, geradas no Subconsciente por mecanismos até agora desconhecidos.

O cardiologista desde muito cedo, habitua-se a conviver com o cliente que se apresentando para uma simples avaliação cardiológica, mostra-se emocionado e temeroso por causa do veredicto final que é seguido sempre por grande euforia quando o resultado lhe é favorável ou, ao contrário, torna-se visivelmente infelicitado e inferiorizado quando toma conhecimento de ser portador de alguma afecção cardíaca.

Tal estado reflete o universal e dominante preconceito de que a afecção cardíaca corresponde a sobrevida encurtada e futuro incerto; exigindo logo, da parte do cardiologista, o necessário esclarecimento sobre o presente e o futuro de cada caso; e, acima de tudo, o máximo respeito ao psiquismo e à mente do novo paciente, condicionando-o assim a uma convivência pacífica, útil e produtiva com sua afecção cardíaca e em seu próprio beneficio.

O cardiologista, ao longo do tempo, fica convencido de que deve se esmerar sempre em cuidar mais da cabeça do que propriamente do coração do seu paciente; uma vez que aquela depende muito da postura do médico como guia e conselheiro, por palavras e exemplos fornecidos em sua permanente pregação; enquanto o coração é conduzido sob cuidados e medicação apropriadamente administrados.

A neurose cardíaca, baseada na angustia, no medo ou no pânico foi sempre atribuída por nós como falha do seu médico assistente, que muitas vezes atua como o agente neurotizante. Isso acontece pela falta de respeito e sustentação à mente do paciente carente e desinformado ou por desnecessário excesso de zelo, representado por repetidos e pré-datados retornos à consulta, recheada com incompletas e temerosas informações, além de severas recomendações sobre a evolução da afecção em tela.

Tal conduta espelha quase sempre a incerteza e insegurança do médico assistente, transmitidas através de informações desnecessárias que são assimiladas pelo paciente sob a forma de sérios riscos que, agredindo seu psiquismo, confundem sua mente e transformam o sentido de sua vida pelo desencadeamento de angustia, medo e até pânico!

Reconhecida a neurose cardíaca, o tratamento a ser dispensado também não é medicamentoso, mas tão somente representado pelo emprego de metodologia que deve ser orientada no sentido de sua reassegurança, frente às condições de sua afecção; demonstrando-se com propriedade que a evolução do processo vigente, sob os cuidados habituais, pode se desenvolver sem complicações; representando, em última análise, a necessária reeducação do paciente, tendo como objetivo a restauração da autoconfiança e consecução de uma sobrevida útil, tranqüila e produtiva.

Dessa maneira, o paciente receberá também, ao lado das informações sobre a parte física do seu estado, a sustentação importante e necessária ao seu psiquismo com o reforço concomitante à sua mente; o que lhe servirá para a recomposição do equilíbrio entre o psíquico e o somático e finalmente para readquirir a tranqüilidade de uma vida cuidadosa e sem tropeços, com conhecimento de causa e efeitos e emoldurada com bons pensamentos, muito necessários a uma longa sobrevida.

A neurose cardíaca parece-nos desenvolvida em conseqüência da sobrecarga que se opera no seu Consciente, tendo de um lado sua realidade orgânica diagnosticada e do outro lado o preconceito universal degradante e avassalador que inferiorizam o paciente e que, invadindo e dominando também o seu Subconsciente, passam a atuar em conjunto como responsáveis pelas sensações de angustia, medo, pânico e até de morte próxima que tanto infelicitam a sua sobrevida.

O tratamento deve ser baseado em uma assistência de caráter pedagógico, ilustrando-se e enriquecendo-se a mente do paciente com valiosas e seguras informações sobre a sua condição física, fortalecendo o seu psiquismo e contribuindo assim para a cura, através do emprego do poder da mente em beneficio próprio.

Em muitos casos, a simples transferência de comando do próprio Consciente para um médico especialista, como depositário da confiança absoluta, pode gerar milagres até com o emprego do placebo e resultar na fácil restauração da autoconfiança e desarmamento do inimigo invisível. Também a realização de uma cirurgia tida como salvadora, pode chegar à cura pelo reforço absoluto e excepcional do Consciente e salutar reflexo sobre o Subconsciente, operando-se assim o retorno à normalidade.

Do ponto de vista do portador da neurose de angustia, medo ou síndrome do pânico é a mesma interpretada como o inimigo invisível cujo ataque é imprevisível e surge como uma onda envolvente que se inicia pelo abdome e se estende ao tórax com a respiração que parece ficar opressa mas é notada livre; com o registro de entorpecimento irresistível que domina a mente através da sensação de uma onda crescente que parece indicar morte próxima, mas com o estado de consciência dos fatos em redor dominado pelo pavor que assim atinge o clímax e logo depois, sem nada acontecer, começa a dissipar-se pouco a pouco até chegar ao momento da feliz sensação de alívio absoluto e nova disposição para retomada de tudo.

Alguns pacientes comparam a crise com um episodio doméstico muito corriqueiro e objetivo: assemelha-se ao que ocorre com uma leiteira colocada ao fogo, cujo conteúdo vai-se aquecendo e ao tornar-se fervente, sobe depressa, ameaçando transbordar e sujar tudo, mas que retirada do fogo, mostra o brusco retorno do leite a seu nível inicial e não acontece o pior.

Nossas recomendações a quem tem medo de morrer fora de casa e quer se curar do mal que tanto o infelicita moral e fisicamente, são as seguintes:

. Portar documento de identidade com endereço, telefone e nome de familiar responsável
. Não fugir do local em que surgir a crise (local do trabalho, rua, cinema, teatro, barbeiro, engraxate, etc.)
. Permanecer sentado, colarinho e cinturão afrouxados
. Reagir mentalmente com pensamentos e palavras de ordem dirigidos para si próprio, tais como:

Fique calmo!
Coragem e fé em Deus!
Vai passar!
Não tenho doença!
Não há nada a temer!
Está passando!
Estou bem!
Isso é nervosismo!
Coragem que vai terminar bem!
Respire normalmente!
Coração bate bem!
Pulso bom!
Não tenha medo que vai terminar logo!
Não vai acontecer nada!
Vai acabar bem!
Vou vencer mais esta!
Está tudo sob controle!
Eu sou forte!
Vai acabar logo e tudo bem!

Assim, o paciente deve procurar restabelecer a sua autoconfiança através da indução de incisivas e otimistas mensagens, condicionantes do auto-convencimento sobre o estado normal da própria saúde e tão necessárias para o reequilíbrio do Consciente e desmobilização do Subconsciente, que proporcionarão finalmente a cessação de todas suas perturbadoras e angustiantes crises e o retorno à normalidade com a vitória definitiva sobre o inimigo invisível, gerado pelo Subconsciente que chega a surpreender o Consciente em Corpo São e portanto imaginário e irreal que deve ser dominado e vencido pelo Poder da Mente!

voltar